Ponta Porã, Domingo, 19 de fevereiro de 2017
11/02/2017 07h20

Desonestidade Sistemática: Exemplo que vem de cima

Por:José Alberto Vasconcellos

Divulgação: Dora Nunes
 
 

SISTEMÁTICA, é o conjunto de métodos ou observações que derivam de um sistema, que gera o costume, a mania, e o modus operandi do indivíduo. Assim é o modo de pensar e agir dos políticos, padronizado!

Todos os dias e durante o dia todo, a mídia aborda questões relacionadas à política e aos políticos. Falam dos políticos que roubaram, roubam e ainda roubarão os recursos públicos, amealhados com os impostos pagos por força das leis que eles mesmos — os políticos — idealizaram, aprovaram e puseram em prática, com o único intuito de espoliar o povo.

Espraiada as investigações da Lava-Jato, agora contando com outras unidades investigatórias que lhe seguem o exemplo, observa-se que ninguém ficou de fora da "sistemática farra" com o dinheiro público, que ao invés de servir para custear serviços e obras do interesse de quem o pagou, tem servido tão-somente para enriquecer escroques dissimulados, que sem nenhum escrúpulo, lesam o povo que governam, fomentando o desemprego, o desamparo e a miséria.

A pouca vergonha chegou, ao ponto de furtar até a parcela destinada ao pagamento dos proventos dos funcionários públicos, sendo certo contudo, que volumosa parte desses funcionários são desocupados, apadrinhado pelos mesmos ladrões dos impostos cobrados.

Esse sistema podre que encontrou terreno fértil na política brasileira, prosperou livre e avolumou-se ao ponto de influenciar populações inteiras, a "dar uma banana" para a ética e para a moral. Aproveitam-se os Capixabas, da falta de policiamento, com os policiais em greve por melhores salários, para atacar maciçamente o comércio, saqueando e depredando o que encontram pela frente.

A selvageria protagonizada pelos capixabas no Espírito Santo, certamente envergonham o rei Roberto Carlos, natural daquele estado. O que leva o povo revelar seu "lado negro" e virar praga como a dos gafanhotos, que tudo devoram em pouco tempo, é a raiva contida e a conseqüente vontade de imitar seus representantes nos órgãos públicos, que tratam os cidadãos como paspalhos, úteis apenas para pagar impostos!

Observa-se, a ação reiterada dos políticos, no âmbito dos Municípios, Estados, e no Complexo dos Poderes da República, onde — salvo uma impotente minoria — imitaram-se, na sórdida ação de misturar o público com o privado. Conscientemente desinteressados em cumprir as promessas de campanha, movida por mentiras e custeadas com dinheiro público; quando eleitos, logo demonstram que os interesses próprios são prioridade, os do povo ficam para depois, caso sobre algum dinheiro.

Os rombos nas finanças, a falta de pagamento dos proventos dos funcionários, dentre eles a polícia, tem martirizado os capixabas em Vitória, capital do Espírito Santo, com seu comércio e outras atividades paralisadas e saqueadas e um elevado número de homicídios, pela greve da polícia, embora tenham pago todos os impostos cobrados, para sustentar um sistema que se revela incompetente e desonesto.

Na execução dessa selvageria pela turba, são revogados os direitos líquidos e certos dos cidadãos, que precisam manterem-se encolhidos, para salvar a própria pele, pela falta do policiamento nas ruas, serviço pelo qual pagaram à administração desacreditada, com juros e correção monetária.

Muitas pessoas, desinformadas e desinteressadas, não entendem as barbaridades que presenciam nas ruas, sem lembrar que tudo aquilo é o resultado do seu voto irresponsável, que elegeu o político causador do destempero popular, que agora imitando o político, furtam lojas, quebram vidraças, promovem arruaças e assassinam pessoas, a título de protesto (!?).

O protesto que se testemunha, teria de ser contra os políticos que eles mesmos, os arruaceiros, elegeram.

Assassinar membros da sociedade e roubar seu patrimônio, pela falta de policiamento, é colocar para fora da própria carcaça o animal irracional que sempre hospedou, alimentado pela ignorância de nunca entender o que é certo.

A desonestidade sistemática, praticada no seio do serviço público, que devora a saúde, a educação e a segurança, é o exemplo negativo que migra para a parcela ignorante e mal intencionada , que impulsionada pela miséria cultivada pela indolência, investe contra a sociedade organizada, desafiando a ordem pública, depredando, assaltando, assassinando e roubando com inusitado furor criminoso, lojas, e dependências comerciais. Ação criminosa que deixa aqueles que pagam impostos, no chão, falidos!

08.02.2017 (4572 ) Membro da Academia Douradense de Letras..

(josealbertovasco@yahoo.com.br) !

Envie seu Comentário