Ponta Porã, Sexta-feira, 19 de janeiro de 2018
20/08/2016 05h50

Eu desejo ser o prefeito por José Alberto Vasconcellos

Muitos desses pretendentes, nem sabem que a Prefeitura é apenas a "Sede administrativa do município".

Por: Tião Prado
 
 

Atualmente, o assunto é as eleições municipais, para prefeito e vereadores. Os numerosos interessados, já se apresentam sorridentes e sonhadores. Alguns, seguramente, conseguirão o intento, elegendo-se; os demais quedarão frustrados, no purgatório da democracia, onde mora o ostracismo.

Muitos desses pretendentes, nem sabem que a Prefeitura é apenas a "Sede administrativa do município"; e que o município é "empresa pública", definida como "Pessoa Jurídica de Direito Público Interno". Eleito, o pretendente vai administrar essa empresa pública, financiada com os impostos pagos pela sociedade, que fica na espera do retorno em serviços e obras.

Ser prefeito, é atividade complexa, que só pode ser entendida na sua vasta extensão das responsabilidades, por quem possui curso superior e já carrega alguma prática administrativa, como atual prefeito, que é Engenheiro e possui uma Universidade. Não observado esses princípios — o que, infelizmente, tem acontecido — a atividade serve tão só para enriquecer o "artista" e deixar a população frustrada e o município quebrado.

É certo, contudo, que os tempos são outros. Influenciada pelo trabalho do juiz Sérgio Moro, a justiça vem exigindo, a passos de tartaruga, a devolução do butim e mandando o "artista" para a jaula. Já é um começo!

A função do prefeito é exercida com o auxílio dos secretários. Abrange a Saúde pública com Hospitais e dezenas de Postos de Saúde, onde trabalham médicos, enfermeiros e funcionários de apoio; a Educação com dezenas de Escolas Municipais, com um grande número de professores, funcionários e milhares de alunos; Creches e Ceins com milhares de crianças; Associações Beneficentes; a preservação do Patrimônio Público, com a Guarda Municipal; a organização do Trânsito, com semáforos e sinalizações; o asfaltamento e a recuperação das vias públicas; a limpeza do Cemitério Municipal; celebração das concessões para o Serviço Funerário, de Água e Esgoto, este, atualmente, com a Sanesul; Coleta do lixo e limpeza das ruas assim como outros serviços concedidos para terceiros.

Há ainda outras tantas obrigações, além daquela que o obriga a verificar se os Secretários Municipais estão trabalhando na sua área de atuação, para fazerem jus ao salário que recebem dos contribuintes, ou apenas dizendo que estão em reunião, para eximirem-se do serviço.

Terá ainda o Prefeito, que cuidar dos equipamentos motorizados, como caminhões, patrolas e, ainda, providenciar o Transporte Escolar; além de outras obrigações, como as constantes exigências dos Médicos; e dos Sindicatos dos Funcionários e dos Professores.

Além das obrigações aqui elencadas, impõe-se ainda ao candidato, a exibição de atestado de boa saúde e de idoneidade, fornecidos por autoridades competentes. Por final vem o desprendimento pessoal, traduzido como a vontade de doar-se à comunidade, para "resolver problemas" sem a intenção oculta de meter a mão no Erário.

Diante dos entraves, você ainda quer ser o Prefeito? Ou pensando apenas em "ser importante sentado na cadeira de prefeito", deixar os eleitores enganados "lascarem-se" com suas famílias.

Atrás dos candidatos a Prefeito, vêm os candidatos à Vereança. Boa parte deles falando abobrinhas, porque nem sabem o que vão fazer. No caso de reeleição, vale um voto somente naqueles que você testemunhou o serviço em favor da comunidade, favor pessoal não conta, porque você não pagou sozinho o salário dele e seus OITO ASSESSORES.

Assim não sendo, id est: mantendo-se o statu quo com o atual modus operandi, salvo algumas exceções de Vereadores ou Prefeitos que cumpriram sua obrigação fundamental, quando se brada, novamente, alea jacta est, seria o caso de se repetir o que já foi feito várias vezes e não deu certo. Por que repetir a dose do Scio me nescire (Sei que eu não sei) dita por Sócrates? Na irresponsabilidade do voto, as vítimas somos nós!

Lembrem-se, ainda, que o Prefeito a ser eleito, deverá empenhar-se para que seja construída a rodovia ou ferrovia que vai dar acesso ao Pacífico, para facilitar o comércio com os asiáticos; assim como implantar a ferrovia Maracaju/Cascavel que vai dar acesso ao Porto de Paranaguá, valorizando a agricultura, com fretes que não corroam o valor da produção.

Querer ser Prefeito, todos querem, mas não vale fingir cegueira ou surdez, decorrentes da incompetência!

17.08.2016 (4.486) Membro da Academia Douradense de Letras.

(josealbertovasco@yahoo.com.br).

Envie seu Comentário