Ponta Porã, Sexta-feira, 20 de abril de 2018
07/08/2014 13h30

CONJECTURAS com Carlos Monfort

Acompanhe a coluna diariamente

Divulgação
 

CONJECTURAS

EFETIVO

- Autoridades municipais, lideranças de classe e representantes da sociedade civil organizada de Ponta Porã. Não deixem o Governo do Estado desviar o foco com “operações especiais”, “ações concentradas”, envio do “DOF, BOPE, DERF, GEFRON e o dia.......a quatro” para supostamente reforçar a segurança pública em Ponta Porã.

A cidade precisa de estrutura para as Polícias Civil e Militar. O Governo faz um marketing pesado de 15 dias, diz que está patrulhando, atento, monitorando e por aí afora, depois tudo volta ao normal. É preciso aparelhar as nossas polícias, fazer com que os agentes da Polícia Civil exerçam o papel investigativo e não continuar servindo marmita para os internos na delegacia.

O 4º Batalhão de Polícia Militar precisa de efetivo, a central de telefone volta e meia dá pane geral deixando incomunicável a PM e a cota de combustível precisa ser reforçada. Essas medidas, sim, são extremamente necessárias e urgentes urgentíssima.

O governador vai passar um doce na boca de todo mundo e tudo voltará à estaca zero, até outra onda de assaltos. Pensem nisso!

SEGURANÇA

- A assessoria da Sejusp divulgou que nesta quinta-feira, 08, o secretário Wantuir Jacini estará em Ponta Porã “acompanhando as ações contra a criminalidade”. É mais do que a hora de ir na ‘jugular’ (no bom sentido, senão o homem manda prender todo mundo) do digníssimo secretário e EXIGIR (e não pedir) maior estrutura para a PM e Civil em Ponta Porã. Mas tem que chegar junto. Sem essa de ficar puxando o saco e só elogiar. Os candidatos do PMDB e mais próximos do Governo também precisam entrar nessa e fazer cobranças.

Do contrário, o secretário passa mel na chupeta de todo mundo e sai rindo à toa de Ponta Porã.

MÍDIA

- Essa nossa tese se fundamenta no princípio de que a área de comunicação social do Governo do Estado distribuiu release de que o índice de criminalidade foi zero no último fim de semana, quando a polícia saiu verdadeiramente às ruas. Ledo engano.

Foram quatro furtos e um roubo, todos em bairros diferentes. Nada mais grave, mas o Governo já se apressou em manipular os números.

NOVA CARREIRA

- Se depender da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara dos Deputados, cerca de 5 milhões de formados em direito poderão ampliar seu leque de atividades. O colegiado aprovou, ontem (6), projeto que cria a carreira dos paralegais. O relator da matéria é o deputado federal Fábio Trad (PMDB).

A ideia da proposta é diminuir o chamado ‘limbo injusto’ criado para quem é formado em direito, mas não passou no exame da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil). A aprovação da CCJ foi em caráter terminativo e, agora, a matéria segue para o Senado.

Envie seu Comentário