Ponta Porã, Sexta-feira, 19 de janeiro de 2018
18/10/2017 08h20

Famílias de vítimas de voo da Chapecoense querem barrar estreia de documentário

O clube tenta barrar na Justiça a exibição da produção, chamada ‘O Milagre de Chapecó’, e alega "descumprimento de contrato".

G1
 
 
Chapecoense - Foto: Reprodução Chapecoense - Foto: Reprodução

Um documentário sobre a Chapecoense tem provocado polêmica entre o clube, a produtora Trailer Ltda e familiares das vítimas do acidente com o voo do time em novembro de 2016.

O clube tenta barrar na Justiça a exibição da produção, chamada ‘O Milagre de Chapecó’, e alega "descumprimento de contrato". Uma das associações de familiares disse que também pretende tomar medidas judiciais contra a exibição, alegando desconhecimento da existência da obra.

Segundo o diretor da produção, Luis Ara Hermida, o documentário não será exibido até que todas as partes entrem em acordo sobre a produção. Existia a expectativa de que a produção estreasse em 30 de novembro deste ano, um dia após o acidente completar um ano, mas a data ainda não estava confirmada, disse Hermida.

"Até que possamos juntar todas as partes, a estreia está suspensa. Seria uma lástima não seguir em frente. Muitos documentários foram feitos e nenhum colaborou com as famílias. Espero que possamos esclarecer a confusão. Mas esclareço que fizemos tudo corretamente e com o máximo respeito", afirmou Hermida.

A Afav-c (Associação dos Familiares das Vítimas do Voo da Chapecoense) diz que tem a intenção de entrar com uma ação na Justiça para que o filme não seja exibido, pois muitas famílias não foram informadas sobre a produção. Já a Abravic (Associação Brasileira das Vítimas do Acidente com a Chapecoense) afirma que vai aguardar o resultado do processo judicial da Chapecoense para ver quais medidas tomar.

Desconhecimento

Conforme a assessoria de imprensa da Afav-c, no 12 de outubro, Dia das Crianças, a viúva de uma das vítimas do voo da Chapecoense foi ao cinema com os filhos em Chapecó para ver um filme infantil. Lá, foram surpreendidos pelo trailer do documentário 'O Milagre de Chapecó'. A família deixou a sala de cinema chorando e, segundo a assessoria da Afav-c, foi assim que a Associação soube da produção.

A Abravic, por meio do vice-presidente Fabiano Porto, disse que soube do documentário por meio de um grupo de WhatsApp.

Reunião

Familiares das vítimas e dirigentes do clube se reuniram na noite de segunda-feira (16) em Chapecó. Segundo a Afav-c, ficou definido que situações como a atual não ocorreriam mais e que o clube deveria comunicar os familiares e ver se eles autorizam qualquer produção que envolva o acidente.

Fabiano Porto, da Abravic, disse que o clube explicou na reunião que entrou com ação por quebra de contrato, porque, segundo o time, a Chapecoense não foi informada do efetivo conteúdo do documentário, que deveria ter sido aprovado pela Chapecoense.

O clube não deu mais detalhes sobre o encontro.

Autorizações e estreia suspensa

Conforme o diretor do documentário, Luis Ara Hermida, a produtora tem autorização de todos os familiares que foram entrevistados para o documentário. Segundo ele, o clube comunicaria os demais familiares de vítimas sobre a produção. No entanto, conforme Hermida, "a confusão" é que o clube achou que a produtora faria isso.

Muitas das entrevistas do documentário foram gravadas dentro do próprio clube, informou o diretor.

Ação judicial

Na sexta-feira (13), a Associação Chapecoense de Futebol entrou na Justiça contra a produtora Trailer Ltda, por descumprimento do objeto do documentário. Porém, não detalhou ao G1 qual era esse objeto, sob a justificativa de que o processo está em segredo de Justiça. A produtora afirma que o time estava ciente da produção. O processo está em segredo de Justiça.

Até a tarde desta terça-feira (17), a produtora não havia sido notificada oficialmente sobre o processo. "Não conheço os detalhes do que apresentaram na Justiça, só sei que cumprimos cada palavra do nosso contrato", informou Hermida.

Segundo ele, a produtora se comprometeu a doar 50% da arrecadação do documentário aos familiares. No entanto, conforme a Afav-c, os familiares só foram informados disso após a produtora ter sido procurada para dar satisfações.

Envie seu Comentário