Ponta Porã, Segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018
19/01/2018 16h30

Moscou só teve 6 minutos de luz solar em todo o mês de dezembro.

É um recorde em média, são 18 horas de sol distribuídas ao longo dos 31 dias, o que dá cerca de 30 minutos diários. Até então, o recorde de céu fechado na capital russa era do ano 2000, cujo mês de dezembro viu, ao todo, meras três horas de luz natural.

Jornal o estado
 
 

A célebre neblina londrina é só charme perto da escuridão do inverno russo: incidiram apenas seis minutos de luz solar em Moscou ao longo de todo o mês de dezembro. É um recorde em média, são 18 horas de sol distribuídas ao longo dos 31 dias, o que dá cerca de 30 minutos diários. Até então, o recorde de céu fechado na capital russa era do ano 2000, cujo mês de dezembro viu, ao todo, meras três horas de luz natural.

"Novembro e dezembro são tradicionalmente os meses com maior número de pacientes com problemas psicológicos", afirmou ao jornal local Moskovsky Komsomolets o psicólogo Sechenov Sivolap. "Nesses casos, é importante procurar um especialista e não ter medo de tomar antidepressivos." No escuro, a produção do neurotransmissor serotonina, popularmente associado ao bem-estar e satisfação pessoal, tende a cair.

Segundo o New York Times, a grossa camada de nuvens que envolve a capital russa se deve ao avanço de massas de ar quentes e úmidas oriundas do Atlântico – além da falta de Sol, as temperaturas estão 6ºC mais altas que a média. O verão de 2017 já havia sido mais chuvoso e escuro que o normal, um prenúncio do que estava por vir. Em junho, o número de ligações para uma central de assistência psicológica subiu 14% em relação ao mesmo período do ano interior.

Envie seu Comentário