Ponta Porã, Segunda-feira, 22 de janeiro de 2018
26/09/2017 07h30

Machismo faz 1ª piloto mulher paraguaia abandonar profissão

Ela desabafou depois de mais de 20 anos de carreira

ABC Collor
 
 

A primeira piloto feminina paraguaia, Letizia Ruiz Acosta, anunciou que foi forçada a abandonar sua profissão por causa do constante assédio e abuso psicológico sofrido pelo machismo predominante.

"Peço desculpas, mas fui forçado a deixar você, depois de 24 anos e 22 anos em uma empresa comercial onde fiquei doente. Foi por causa da desigualdade de gênero, por causa do que me levou a ser o pioneiro e porque o meu maior pecado era ter nascido uma mulher ", lamentou Letizia Ruiz Acosta em uma publicação no Facebook, na qual escreveu uma carta dirigida ao seu grande amor: aviação.

O piloto disse que, durante todos esses anos, trabalhou para a companhia aérea, a TAM sofreu assédio moral, assédio sexual, discriminação, bullying, abuso verbal e físico, mentiras e perseguições de todos os tipos.

"Você não era o culpado que está doente, mas as pessoas que estão neste ambiente, que fizeram tudo para fazer você parar." Mas eu me agarrei mais a você. "Sim, eu fiz esses últimos 22 anos, eu fiz isso por minha paixão por você No entanto, meu corpo já não aguentava repúdio e ameaças. Deus é minha testemunha ", diz o comandante Ruiz Diaz.

Pioneira

Letizia Ruiz Díaz ingressou na Lapsa em 1995 e, em 1996, a empresa foi vendida para a TAM. A partir daí, subiu por vários estágios, era aviador civil piloto e aviador .

Em 1998, tornou-se o primeiro piloto paraguaio com licença comercial e rating IFR, e em 2005 já era o primeiro comandante no Paraguai da companhia aérea, Caravan, voos de cabotagem . Já em 2010, a mulher veio denunciando que o machismo reina naquela profissão.

O ABC Color tentou entrar em contato com os representantes da LATAM Arilines, mas não obteve versão específica sobre a queixa da piloto.

Envie seu Comentário