5.6 C
Ponta Porã
quarta-feira, 29 de maio, 2024
InícioRosildo BarcellosAlgures, Alhures e Nenhures, por Rosildo Barcellos

Algures, Alhures e Nenhures, por Rosildo Barcellos

                                                                                   Rosildo Barcellos

Sem saber que a primavera ainda não chegou

Um ipê explode em flor  antes da hora

Senhora … floresce.

Enfeita a avenida e da dor da vida: esquece.

E distraído; florido,

Nesta sua primavera ao léu.

Um buquê de rosa… oferece ao céu.

E quando pensa que não

Estende um tapete de flores … no chão.

 Pra quem quiser passar.

Pra quem quiser acreditar.

Pra quem quiser  ver com os olhos do coração

Que todo tempo é estação…das flores

 Que tempo é estação…dos amores!  

                                                                                         Rud Prado

   Os Ipês são evidentes e contundentes. Além de estarem localizados em diversos outros bairros espalhados pelas sete regiões da Capital, entre seus trinta e três córregos; decorando e alegrando a cidade Morena. O Ipê, símbolo da flora sul-mato-grossense, é comum nas estações de outono e inverno.

   A temporada de floração dos ipês começa em junho e vai até setembro. O ipê rosa floresce em junho; o amarelo em julho/agosto e o branco em agosto/setembro. A cor mais comum… o roxo. Da espécie Handroanthus impetiginosus. Uma espécie muito plantada no final da especialmente para o centenário da capital.

  Símbolos de Campo Grande, as figueiras da avenida Afonso Pena, no centro da cidade, também são centenárias. As árvores foram plantas em 1921, pelo então prefeito Arlindo Gomes. Na época, a cidade tinha pouco mais de 8 mil habitantes. Para dar o exemplo a população, Gomes, regava diariamente as árvores ao sair do expediente. Na época, eram centenas de casas de alvenaria de tijolos, mais de 100 casas comerciais, duas agências bancárias, cinco hotéis e 58 automóveis. Além disso, incluindo a área rural, o município tinha 21.360 habitantes . Entretanto o ipê-amarelo em julho do ano 2018 se tornou oficialmente o símbolo de Mato Grosso do Sul. Há uma lei, que autoriza o uso da imagem em documentos oficiais, peças publicitárias e de comunicação visual, sempre que o Estado quiser divulgar as belezas e características botânicas.

   Entre a grande variedades de plantas nativas do país, o ipê sempre foi considerado a árvore nacional brasileira. No dia 7 de dezembro de 1978, a lei nº 6507 veio declarar que o pau-brasil (caesalpinia echinata) seria a Árvore Nacional e, a flor do ipê, a flor do símbolo nacional. Mas independente de regras, leis e decretos, o Ipê avança em nosso olhar e nossos corações. É um bom exemplo de que se quisermos algo que se firme, que se preze, devemos ter esforços pessoais. Assim como o Ipê o que plantamos no coração d alguém, vem como sempre espalhando cor, esbanjando beleza e exalando seu perfume, A cada Ipê plantado recebemos os algures do pensamento, que em alhures não encontrará e nenhures a saudade a esquecerá !

*Articulista