29 C
Ponta Porã
domingo, 14 de abril, 2024
InícioVariedadesMulherAnvisa faz alerta sobre uso de repelentes contra mosquito da dengue

Anvisa faz alerta sobre uso de repelentes contra mosquito da dengue

Anvisa faz alerta sobre uso de repelentes contra mosquito da dengue
Foto: Reprodução

Anvisa faz alerta sobre uso de repelentes contra mosquito da dengue

A luta contra o mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, exige medidas preventivas, e uma das mais eficazes é o uso de repelentes. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) emitiu um alerta importante sobre o uso desses produtos.

Segunda a agência, os repelentes podem ser divididos em duas categorias: os destinados à aplicação na pele e os voltados para o ambiente. Ambos desempenham papéis essenciais na proteção contra o mosquito transmissor.

Leia também: Vacina contra a dengue: saiba quem pode tomar e como funciona

Os repelentes de insetos para aplicação na pele são classificados como cosméticos e devem estar devidamente registrados na Anvisa. É fundamental seguir as orientações presentes na rotulagem do produto, especialmente no que diz respeito à faixa etária de uso e à concentração dos princípios ativos. Por exemplo, o DEET, um ingrediente comum em repelentes, não é recomendado para crianças menores de dois anos. Para crianças entre dois e doze anos, a concentração de DEET não deve exceder 10%, com restrição de três aplicações diárias. Além disso, a aplicação deve ser feita apenas nas áreas expostas do corpo.

Já os produtos destinados ao ambiente, como os inseticidas e repelentes, têm o objetivo de afastar os mosquitos e evitar sua proliferação. Enquanto os inseticidas visam eliminar os mosquitos adultos, os repelentes apenas os afastam. No entanto, é importante observar as recomendações de uso, especialmente em ambientes fechados e na presença de pessoas asmáticas ou com alergias respiratórias.

Leia mais: Dengue: repelente de tomada pode fazer mal à saúde; saiba como evitar riscos

É importante ressaltar que nem todos os produtos ditos repelentes possuem eficácia comprovada. Repelentes naturais à base de citronela, andiroba, óleo de cravo, entre outros, não têm garantia de eficácia contra os mosquitos transmissores da dengue. Portanto, é fundamental verificar se o produto está devidamente registrado na Anvisa antes de utilizá-lo. Você pode verificar os cosméticos repelentes autorizados neste link .

Por fim, é fundamental que a população esteja ciente da importância do uso correto dos repelentes, tanto na pele quanto no ambiente, como parte das medidas preventivas contra a dengue e outras doenças transmitidas por mosquitos. Para mais informações sobre os saneantes regularizados pela Anvisa, é possível consultar o link disponibilizado pela agência .


E aí, curtiu essa matéria? Então conheça e siga a gente em nossos perfis no Facebook , Instagram , Twitter e Pinterest para conferir muito mais!

Fonte: Mulher