4.8 C
Ponta Porã
quarta-feira, 29 de maio, 2024
InícioPolíciaCaminhoneiro que fugiu após acidente com duas mortes na BR-163 é preso...

Caminhoneiro que fugiu após acidente com duas mortes na BR-163 é preso em Campo Grande

Suspeito, de 67 anos, fugiu do local após colidir a carreta bitrem que dirigia com um carro de passeio.

O motorista da carreta envolvida no acidente que matou duas pessoas, na BR – 162, neste sábado (24), em Campo Grande, segue preso. O suspeito, de 67 anos, foi autuado em flagrante por homicídio culposo e omissão de socorro, já que fugiu do local do acidente.

De acordo com as investigações da Polícia Civil, o caminhoneiro deixou o local do acidente, mas retornou em seguida acompanhado de um advogado. O suspeito alegou ter ido até a empresa onde trabalha para informar o acidente.

A audiência de custódia está prevista para este domingo (25).

Acidente

Duas pessoas morreram em um acidente na BR-163, na região do bairro Moreninhas, em Campo Grande (MS), na madrugada deste sábado (24). Apenas uma das vítimas foi identificada como Patrícia Brito Valensuela, de 34 anos. A mulher estava no banco do passageiro, no carro de passeio.

Um terceiro veículo também se envolveu na batida, conforme o boletim policial sobre o caso. O condutor da caminhonete, de 52 anos, não se feriu o veículo teve apenas avarias depois de colidir no motor do carro com as vítimas fatais.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o carro seguia sentido Campo Grande quando bateu em uma carreta bitrem que estava saindo de um posto de gasolina para acessar a rodovia sentido São Paulo.

“Segundo o motorista da carreta, quando ele termina de fazer a manobra, ele sente a colisão do veículo já na traseira desse bitrem. Então ela é bem grande, a manobra demora a acontecer. Segunda versão do motorista, logo após o acidente, ele optou parar esse veículo mais à frente, em uma garagem. E aí, segundo ele, ele se recompôs, desceu do veículo, veio até aqui (local do acidente), mas viu que já estava tendo socorro e aí resolveu voltar para lá porque ficou com medo”, explicou o PRF, Felipe Paiva.

Fonte: G1 MS