João Natalicio
João Natalicio

INFORME JN

DIA DAS MÃES

* Neste domingo, 9 de maio, comemora-se em todo o Brasil o abençoado Dia das Mães, uma data que congrega respeito, amor à família, felicidade e também saudades. Uma data que ninguém contesta porque representa a essência da humanidade. Uma data que, apesar da ação do coronavírus trazendo tristeza, lágrimas e sofrimento para muitos, certamente será muito comemorada com muitas homenagens, alegrias e felizes sentimentos que valorizam essa mulher que teve a felicidade de ser MÃE como uma dádiva divina. Amém!

* Falando em Dia das Mães queremos reverenciar aquela mulher corajosa e destemida que se propõe a se candidatar a prefeita de Ponta Porã nas eleições municipais de 2024. Por enquanto não vou revelar o nome dela, pois que bom seria se outras mulheres também aceitassem o desafio de administrar Ponta Porã. Seria a glória.

* Não está descartada a possibilidade de o município mais importante da fronteira disputar o pleito eleitoral de 2024 com mais de 5 concorrentes. Entre os homens tudo indica que o secretário de Indústria, Comércio e Turismo, Caio Augusto Souza será candidato, assim como o jovem político Marcello Derzi (Patriota). A dúvida é se o Ronaldo Franco vai tentar novamente a disputa eleitoral. Nesse caso ele iria bater de frente com o seu colega de partido, Marcello Derzi, que continua empolgado com a possibilidade de eleger-se prefeito de Ponta Porã. Além desses guapos, ainda podem pintar no pedaço pelo menos 3 mulheres: Lourdes Monteiro (DEM), Ângela Derzi (PSDB) e aquela dita-cuja que por enquanto não vou revelar o nome para aumentar a expectativa.

DEPUTADOS

* Com relação aos prováveis pretendentes a vagas na Assembleia Legislativa o número de interessados pode ser expressivo. Alguns com chances de eleição e outros nem tanto. São eles: Agnaldo Miudinho (DEM), Caio Augusto (PSD), vereador Waldecir Fernandes (DEM), Brunoí Reichadt (MDB), o próprio Ronaldo Franco (Patriota) e outros corajosos. Como ainda faltam mais de três anos para a batalha das urnas, é provável que outros nomes possam surgir com chances para a disputa para a vaga de deputado estadual e até de deputado federal.

* De uma maneira geral a política é uma ciência que revela a capacidade de relacionamento das pessoas, principalmente dos políticos independente da sigla a que pertençam. O exemplo maior está aí o nosso presidente Jair Bolsonaro. Um homem honesto, temente a Deus e defensor da família brasileira, mas peca no seu relacionamento político. Para ele todos os políticos são iguais e não merecem o respeito que desejam.

CLIMA QUENTE

* O clima nessa CPI da Pandemia está esquentando cada vez mais à medida que o tempo vai passando. Nos últimos dias o Plenário do Senado da República esteve quase em tempo de bala com insultos e ofensas de ambas as partes entre os defensores do Palácio do Planalto e os senadores de partidos de esquerda. Tal fato significa que se trata de uma CPI criada não para salvar vidas afetadas pelo covid-19, mas com o objetivo maior de afastar do poder o presidente Jair Bolsonaro. Não vai ser fácil, embora o Brasil inteiro saiba que há outras forças internas e até externas interessadas nesse assunto. Mas para os brasileiros que amam o seu país há a certeza de que a verdade prevalecerá, mesmo contra a vontade do relator Renan Calheiros (MDB) e seus comparsas de outros poderes.

* Verdadeiramente o Brasil se transformou num barril de pólvora. Muita gente, inclusive eu e experientes comentaristas políticos, imaginaram que depois daquela manifestação de força dos apoiadores do Governo Bolsonaro que colocaram cerca de 1 milhão de pessoas na Avenida Paulista em São Paulo e outros tantos nas ruas em todo o país no Dia 1º de Maio, muita coisa poderia mudar politicamente na Pátria Amada Brasil, mas parece que nada mudou.

* Pelo contrário, até parece que os opositores ao Governo Bolsonaro estão dispostos a enfrentar um confronto bélico. Tanto assim que no último final de semana o presidente nacional do PTB, ex-deputado Roberto Jefferson, foi obrigado a chegar em casa escoltado por um batalhão da Polícia Militar, com colete à prova de balas e outras precauções em razão de que estaria correndo o risco de sofrer um atentado. Tudo indica que o bicho vai pegar antes ou depois das manifestações do dia 15 de maio pelos integrantes do movimento Verde e Amarelo formado por pecuaristas e produtores rurais de todo o Brasil, em defesa do Governo Bolsonaro.

J. N. Oliveira

[email protected]

Comentários