Estamos perto da data que se comemora o dia das crianças e com ela a expectativa dos adultos e pequenos aumentam. Neste dia os responsáveis, na grande maioria, dão o seu máximo para comprar um presentinho melhor, levam as crianças para passear onde possam fazer jus à comemoração celebrada no dia 12 de outubro.

Quem não gosta de ganhar presentes? Mas agora lhe pergunto: Quem não gosta de receber atenção?

Quando você fala e alguém está atento, olhando nos seus olhos faz com que você se sinta importante, não é mesmo? Agora tente imaginar você tentando falar algo importante e o ouvinte está mexendo no celular ou desviando para outro estímulo. Qual é o verdadeiro sentimento que lhe acomete?

Segundo o Dr. Alfredo Pereira Junior: “Olhar nos olhos prepara o cérebro para se conectar”’. Isso quer nos dizer que o contato visual ativa partes do nosso cérebro, sejam elas cognitivas, de ação e também emoção.

Quando vamos falar com alguém e principalmente quando nossas crianças vem falar conosco é importante deixar outros estímulos de lado e prestar atenção no que elas querem comunicar.

Para que no futuro sejamos amigos dos nossos jovens, precisamos construir o vínculo de amizade quando eles ainda são pequenos e infelizmente com a rotina agitada e os vários estímulos externos está cada vez mais difícil se “desconectar” e estar de fato presente na vida do outro. Lembrando que estar presente é muito mais que estar junto. É de fato fazer com que aquele momento seja de interação, carinho, conversas, risadas, abraços, sorrisos, lágrimas…

No E-book Reflexões Sobre Atividades Lúdicas em Tempos de Pandemia que escrevi juntamente com meu marido citamos:

Ficar mais próximos de nossos filhos também fará bem para nós pais que vivemos em uma vida frenética com tantos afazeres. Importante lembrar que não é a quantidade de tempo que você fica com o seu filho e sim a qualidade desse tempo. Liberte a criança que há em você!

E é isso que quero transmitir para vocês caros leitores, não se preocupe se sua rotina é atrelada de afazeres ou se você não sabe brincar, o importante é que o tempo que estejam juntos seja especial e isso pode se dar em meia hora de interação.

Para quem tem dificuldade de saber o que fazer para que esse tempo seja bem aproveitado, segue algumas dicas (lembrando que não é necessário horas, mas que neste momento você esteja inteiramente entregue para essa interação ok?)

Organize e gerencie seu tempo e nele inclua diariamente uma, meia hora que seja, para se conectar de fato com sua criança.

– Juntos vocês podem produzir massinha de modelar (é muito fácil, você mistura um copo de farinha com meio copo de sal, um pouco de água e óleo e ainda pode escolher um corante ou até mesmo suco em pó para colorir), além de se divertirem confeccionando poderão brincar de formar objetos, animais deixando a imaginação fluir. Ah, não mexa no celular, ok?

– Brinque de adivinhe o que é! Vocês podem vendar um ao outro e com os pés sentir o objeto. Vence quem acertar mais.

– Desafio das três cores. Com os olhos vendados vocês devem selecionar três cores e pintar um desenho;

– Pega- pega, esconde-esconde, vivo ou morto, estátua nunca saem da moda, pode apostar!

– Que tal fazer a hora do livro embaixo de uma cabana feita com lençóis? Também pode ser feito um piquenique lá em baixo, só vocês. Crianças amam cabanas!

– Jogos de tabuleiro, cartas, ou até mesmo brincadeiras que você gostava na sua época podem ser oferecidos e ensinados para nossas crianças. As bolinhas de gude, pião, pula corda, bolhas de sabão, amarelinha além de contribuírem para uma interação familiar também desenvolvem a atenção, raciocínio lógico, coordenação motora, criatividade, percepção tátil, visual e muita diversão.

No E-book que já citei temos diversas atividades sugeridas para cada faixa etária. Quem tiver interesse pode adquirir no site da Amazon, Simplíssimo, Google Play.

Augusto Cury (2014) nos diz: “Com palavras inteligentes, os pais transformam cada momento num espetáculo solene. Com um amor maduro, os pais transformam cada minuto numa eternidade. Usando, portanto, suas palavras e seu amor, os pais podem mudar o mundo quando mudam o mundo dos seus filhos.”

Estar presente é muito mais que dar presentes. Pode ter certeza que marcamos nossas crianças quando somos ouvintes, criamos memória afetiva quando interagimos com elas. Lhe proporcionamos autonomia, bem estar, confiança, segurança quando estamos por perto. Mostramos o que é certo e errado quando jogamos, estimulamos sua fala, seu raciocínio, seu poder de persuasão.

“Brincando a criança desenvolve suas capacidades físicas, verbais ou intelectuais. Quando a criança não brinca, ela deixa de estimular, e até mesmo de desenvolver as capacidades inatas podendo vir a ser um adulto inseguro, medroso e agressivo. Já quando brinca a vontade tem maiores possibilidades de se tornar um adulto equilibrado, consciente e afetuoso.” VELASCO (1996).

Portanto, brinquem muito, mas não só no dia das crianças ok? E lembre-se da música da Ana Vilela: “A vida é trem-bala, parceiro e a gente é só passageiro prestes a partir”…

Gostou desse artigo? Deixe o seu legal. Compartilhe com seus amigos.

Para mais conteúdos acesse o Facebook da Psicopedagoga Juliana Rauzer.

Comentários