03/03/2018 05h30

Lavagem, secagem e armazenagem por José Alberto Vasconcellos

No episódio do Gedel Vieira Lima, um "entendido" concluiu que o ex-ministro montou o armazém, porque não quis pagar o excesso de bagagem à companhia aérea.

Por: Tião Prado
 
 

Até agora, as Leis que tipificam os crimes e prescrevem as penalidades, no capítulo surripiar, estabeleciam como crime a LAVAGEM de dinheiro desviado dos cofres públicos. O político baiano ex- isso e mais aquilo, ex-Ministro no governo Temer; Manda-chuva na Caixa Econômica Federal – Gedel Vieira Lima, inovou, surpreendendo muita gente, e mais ainda seus "colegas" ativos na área do "faz-de-conta para que sobre mais p´ra nós". Gedel, dominando a tecnologia que detém a décadas e décadas, de intensa atividade no trato com o dinheiro público, concluiu que além da tradicional LAVAGEM, poderia também tratar da SECAGEM — e depois: fazer a ARMAZENAGEM.

Descoberto o ARMAZEM entupido de dinheiro, no mesmo prédio onde mora sua mãe, a PF contou quinze malas e caixas de papelão abarrotadas com dinheiro; e nas embalagens de plástico, para proteger a "bufunfa" da umidade, a digital da "autoridade"! Noticiada a descoberta do dinheiro estocado e lavrado o romaneio pela polícia, indicando o volume, alguém da família do ex-ministro, apressou-se em dizer que Gedel Vieira Lima estava doente. A previdência preveniu-se: será que o Gedel vai pedir aposentadoria por incapacidade operacional temporária. Será?

Acadêmicos e exponenciais autoridades pensantes, reunidas no Salão Nobre da USP, após um profícuo debate, chegaram a conclusão de que a CORRUPÇÃO tem muita similaridade com a ANÁLISE SINTÁTICA, e que, interpretada esta, entende-se com mais clareza aquela: a corrupção!

Um acadêmico de alto coturno, iniciado o debate, disse que a Análise Sintática decompõe e examina uma ORAÇÃO. Que ela revela a ação do escroque (o sujeito), quando aflora-lhe a idéia de lesar, desviar, furtar ou roubar alguma coisa, em proveito próprio. Na ORAÇÃO há sempre um sujeito: visível ou oculto! Esse sujeito, independentemente, de estar visível ou oculto, tem acesso a objetos, que podem ser alcançados diretamente, por ele, ou indiretamente (por assessores). Agindo direta ou indiretamente, ele sempre sai mais adiante, com o peixe no bico. Assimilou?

No episódio do Gedel Vieira Lima, um "entendido" concluiu que o ex-ministro montou o armazém, porque não quis pagar o excesso de bagagem à companhia aérea. Cobrança que ele reputou ilegal e abusiva.

Nas reuniões dos meliantes "pés-de-chinelos" — em todos os quadrantes do País, conhecido o estoque de dinheiro do Gedel — o assunto era um só: "— Enquanto corríamos atrás de carteiras vazias de desempregados, celulares ordinários avariados ou bloqueados, para podermos sobreviver, no primeiro andar daquele prédio nº 260, em Salvador, na Bahia, havia um caminhão de dinheiro vivo, encaixotado e nenhuma cigana nos avisou! — Aquela dinheirama toda estava fedendo e nenhum de nós sentiu o fedor.

Ali, naquele quarto do prédio nº 260, estavam estocados, além do dinheiro, a miséria da pobreza e a gloria da incompetência, do desmando, da omissão, da pouca vergonha e tudo o mais que pode ser lembrado e argüido, quando a administração pública é exercida por hipócritas, que tem na ganância e na corrupção, seu objetivo de vida, importando-se tão só consigo mesma. Tivessem esses meliantes pelo menos um pouco de sentimento humano, quanta aflição, quanto desespero, quanta dor poderiam evitar com aquele dinheiro, se distribuído com eqüidade para amainar sofrimentos, arrefecer aflições, mitigar a fome e dar um pingo de conforto àqueles que esperam uma ação do governo, mas nada recebem.

Não mais obedecem OS MANDAMENTOS DE DEUS: dentre eles, o mais categórico: "Não furtaras." (Dt:5-19) .

Ouve-se o resmungo da sociedade acuada pelos bandidos que infestam o País e o clamor dos miseráveis, pela carência das migalhas que precisam para sobreviverem. São milhares e milhares de analfabetos, vitimados pela educação vesga, omissa e desinteressada, orientada e administrada pela incompetência, sem nenhum compromisso com o futuro do País. Jogam nas ruas jovens sem preparo intelectual e nenhuma habilidade profissional, que vão engrossar as estatísticas do desemprego e reforçar as hordas dos meliantes que assolam a sociedade.

11.09.2017/28.02.2018 - (4220) - Membro da Academia Douradense de Letras.

(josealbertovasco@yahoo.com.br)

Envie seu Comentário