O Estado de Amambay e principalmente  a cidade de Pedro Juan Caballero, nesse 1º de março está vivendo mais uma vez um momento histórico, pois nesta data o povo paraguaio homenageia os seus heróis que tombaram na guerra da ‘Tríplice Aliança’, que conforme a história mostra, foi a guerra mais sangrenta que se teve noticia em todo mundo, devido a forma como foi combatida.

O presidente da nação, Mario Abdo Benítez esteve presente prestigiando a cerimônia de comemoração do Dia dos Heróis, no Parque Nacional Cerro Corá, junto com todo estado maior das forças armadas do país, em momento que fica marcado na história do povo paraguaio e a comemoração do 151º aniversário da morte do “Marechal Francisco Solando López”.

“Todo dia 1º de março lembramos o sacrifício de centenas de milhares de paraguaios que sofreram os rigores de uma guerra injusta, na qual o povo se tornou um exército”, expressa a mensagem do presidente Mario Abdo Benítez, para a comemoração do dia dos heróis.

Ele ressaltou que o Mariscal cumpriu o juramento sagrado de vencer ou morrer nas margens do Aquidabán, o que o tornou um mártir pelo país.

Mário Abdo participou do ato em comemoração ao Dia dos Heróis em Cerro Corá
Presidente do Paraguai, Mario Abdo Benítez.

Primeiro, o presidente fez a entrega de uma coroa de flores ao monumento aos heróis do parque de Cerro Corá, onde o marechal Francisco Solano López foi intimidado e morto.

Os atos oficiais durante os 151 anos desde o fim da Guerra contra a Tríplice Aliança incluíram uma revisão histórica dos momentos da batalha e da morte do Marechal Francisco Solano López às margens do córrego Aquidabán.

Heroísmo nacional

O comandante do primeiro corpo do Exército da Nação, Bernardo Bazán, expressou que o povo paraguaio deu o maior exemplo de heroísmo ao pegar em armas diante da agressão de uma aliança que incluía três países sul-americanos, antes deles opostos vontade, patriotismo e direito moral nunca antes visto em uma nação.

“Procuremos na nossa história os exemplos e virtudes legadas pelos nossos heróis indissolúveis de todos os paraguaios, e fundimos os exemplos e as virtudes numa só pessoa, recordemos a figura daquele gigante paraguaio (Mariscal Francisco Solano López), a imensa vontade daquele soldado intransigente que durante 5 anos foi a alma da resistência nacional ”, afirmou.

Lembrou que no trágico período de 1865 a 1870, a República do Paraguai surpreendeu o mundo, aquela geração de compatriotas que lançou para sempre as bases do heroísmo nacional.

“Todo o povo paraguaio nos acompanha neste nobre sentimento de recordação ao Marechal Francisco Solano López, máximo herói da nossa nacionalidade e que se torna uma solene fonte de inspiração, força e patriotismo para enfrentar as batalhas, os desafios do presente e do futuro de nossa amada nação. Que a República do Paraguai viva para sempre ”, conclui

Logo após a solenidade, Mario Abdo Benítez e todo seu estafe seguiu viagem de retorno para a capital Assunção.

Comentários