Sob Constante Ameaça

Documentário mostra como o medo influencia a forma como mulheres ocupam a cidade

Pesquisa feita pela Agência Pública revela que 93% das mulheres evitam andar à noite pela cidade; documentário acompanha a caminhada pelos locais onde elas se sentem ameaçadas

19/06/2018 08h - Divulgação (TP)

 

O documentário "Sob Constante Ameaça" acompanha a caminhada de algumas mulheres por São Paulo e revela como o medo da violência de gênero influencia a forma de ocupar a cidade. Coproduzido pela Agência Pública e pela SPCine, o curta-metragem é dirigido pela repórter Andrea Dip e pelo artista plástico Guilherme Peters.

Sob uma perspectiva interseccional, os diretores entrevistaram mais de 20 mulheres de diversas regiões de São Paulo. Essas entrevistas se transformam em uma única narrativa em off, que aborda a violência de gênero sofrida nas ruas sob diferentes recortes e acompanha as imagens das mulheres caminhando por ruas escuras, passarelas e becos da cidade.

Para além dos lugares, as entrevistas revelam outras preocupações das mulheres ao sair de casa, como o horário e as roupas que estão usando. Enquanto os homens tendem a não se preocupar com essas questões, em uma pesquisa feita com mais de 2.500 mulheres, Andrea e Guilherme apuraram que 93% das pesquisadas evita andar na rua a noite.

As pesquisas para o documentário começaram em 2015, quando a pauta ganhou uma das votações do Reportagem Pública, projeto da Agência Pública financiado por crowdfunding que permite que os apoiadores escolham o que será investigado pela equipe. Em 2016, a pauta foi transformada em um projeto contemplado por um edital da Spcine.

Um dos passos iniciais para a produção de "Sob Constante Ameaça" foi a elaboração e divulgação da pesquisa que contou com as respostas de 2590 mulheres. À pergunta "Você já mudou seu trajeto para evitar algum tipo de violência de gênero?", 63,1% respondeu que sim e 21,6% respondeu que muda o trajeto com frequência. Com base nesses e em outros números obtidos através da pesquisa, a equipe passou às entrevistas para entender e revelar como mulheres tão diferentes ocupam a cidade tendo o medo da violência de gênero como denominador comum.

A equipe que produziu o documentário é formada em sua maioria por mulheres (confira a ficha técnica abaixo), incluindo a direção de fotografia de Camila Cornelsen. Além disso, o filme tem desenho de som e trilha sonora originais criados por Bruno Palazzo – algo muito importante já que o filme propõe ao espectador caminhar pela cidade junto com as personagens e cria paisagens sonoras que envolvem o espectador em um suspense continuo – vivenciado pelas mulheres em suas rotinas reais e traduzido na fala de uma delas: "Uma das coisas que é muito comum é eu não saber se vou voltar inteira pra casa".

"Sob Constante Ameaça" será lançado em São Paulo no dia 21 de junho, na Sala Antônio de projeção, dentro da Galeria Vermelho (Rua Minas Gerais, 350). Às 19h30 tem início a primeira sessão do documentário, que será seguida por uma entrevista ao vivo de Andrea Dip com a urbanista Haydee Svab. Uma segunda sessão ocorre às 21h.

Envie seu Comentário