29/01/2018 08h

Pintado alfineta Cueva: "Nenhum jogador é maior que o São Paulo"

O Petros, como armador, não funciona. O Petros é para jogar de costas, embora seja um jogador voluntarioso.

Terra
 
 
Foto: ReproduçãoFoto: Reprodução

Pintado voltou a falar sobre a polêmica em que se envolveu com Cueva no ano passado, durante o período em que assumiu o comando técnico da equipe de forma interina. Assim como fez em 2017, neste início de temporada o meia-peruano se recusou a viajar com o elenco pelo risco de não ser titular, e o ex-jogador e, mais recentemente, ex-auxiliar técnico do clube fez questão de externar o que pensa sobre a conduta do camisa 10.

"Se naquele momento tivessem resolvido do jeito que deveria, não haveria os problemas que estão havendo agora. Se as pessoas responsáveis, com as quais eu conversei diretamente, tivessem tomado uma atitude… nenhum jogador do São Paulo é maior que o São Paulo. Tenho certeza que todos que estão ali entendem isso. O Ricardo [Rocha] e o Raí sabem disso", afirmou Pintado, convidado do programa Mesa Redonda , da TV Gazeta , deste domingo.

Consternado com o fato de o São Paulo viver um longo jejum de títulos, o ex-volante também se posicionou em relação às oportunidades que o técnico Dorival Jr vem dando aos jovens garotos da base. Ao menos para Pintado, não há clima para revelar novos talentos em meio à grande pressão que o time tem de lidar neste início de temporada.

"O São Paulo não pode revelar ninguém, o São Paulo tem que ganhar título. A torcida não aguenta mais. Essa pressão sobre todos do São Paulo é porque não ganha. O São Paulo não tem condição de revelar cinco moleques hoje, não tem um time bem armado para colocar esses jovens de qualidade", prosseguiu.

Por fim, o bicampeão da Libertadores e campeão mundial em 1992 com o São Paulo comentou sobre a derrota no clássico do último sábado, contra o Corinthians, no Pacaembu. Para ele, Dorival Jr não fez uma boa escolha no que diz respeito ao posicionamento e função de seus atletas. Mais organizado, coube ao Timão aproveitar as debilidades do rival para manter a freguesia no Majestoso.

"Na verdade, se você ver, o São Paulo jogou com Militão, Shaylon e Brenner, três jovens que ainda vão amadurecer, melhorar e ajudar a equipe a se equilibrar. O que a gente percebe é o Corinthians muito à frente e muito bem armado, com Jadson e Rodriguinho em um grande momento. O Petros, como armador, não funciona. O Petros é para jogar de costas, embora seja um jogador voluntarioso. O próprio Diego Souza talvez vá voltar para o meio-campo", finalizou.

Envie seu Comentário