Saúde

“HR não é Albert Einstein, é hospital público”, diz diretor do hospital

Hospital é rodeado por denúncias de falta de medicamentos, materiais e diretoria recém empossada assume depois de investigações de fraude em licitações

21/02/2019 16h - Campograndenews

 
Diretor administrativo do Hospital Regional, Edson da Mata Torres Filho (Foto: Marina Pacheco)Diretor administrativo do Hospital Regional, Edson da Mata Torres Filho (Foto: Marina Pacheco)

O Hospital Regional Rosa Pedrossian, em Campo Grande, parece estar em descompasso com o tempo atual. É o que afirma o diretor administrativo do hospital, Edson da Mata Torres Filho, que em meio à denúncias que abrangem desde falta de medicamentos e desperdício de estoque ao passado investigado por fraudes, aposta no novo setor de controladoria para "tirar o hospital do ano de 2012". A referência do diretor é com relação ao controle e tecnologia de informações.

Edson assumiu o posto há 41 dias e é o braço direito do novo diretor presidente do HR, o médico Márcio Eduardo de Souza Pereira. Da área de finanças e auditor da saúde há 16 anos, o diretor administrativo é "novato", está conhecendo o hospital, mas já tece críticas e admite que os problemas não vão desaparecer tão rápido quanto se espera.

"É o Albert Einstein? Não, é um hospital público, que única e exclusivamente a sua receita vem do poder público, que tem recurso escasso. O governador e sua equipe tem que fazer malabares para atender o hospital aqui, do interior e todas as outras unidades de saúde", diz.

Ele declara estar, agora, "garimpando talentos" dentro do hospital. "Com o problema que teve no ano passado, novembro e dezembro, ele falou [secretário estadual de saúde]: olha, me ajuda, para a gente dar uma reformulada, então há 40 dias nós estamos aqui tentando fazer uma reformulação dos setores", afirma.

Envie seu Comentário