30/01/2016 11h

O homem, criatura do tempo - José Alberto Vasconcellos

Tomado pela cobiça e cego pela megalomania, o político eleito e empossado, defende tão só os próprios interesses

Divulgação (TP)
 
 

“Homo sapiens” (o homem sábio) termo técnico. Como Homo sapiens, os antropólogos designam o homem moderno e todas as formas anteriores do homem, que aparentemente era capaz de refletir sobre si mesmo e pensar, o que se demonstra por exemplo, com cerimônias religiosas, ritos fúnebres, confecção de jóias. Tais seres inteligentes surgiram pela primeira vez cerca de 200.000 anos atrás.”

“O primeiro aparecimento do homem, é colocado pelos cientistas em torno de dois milhões de anos atrás. Esses antigos representantes do ser humano são chamados Homo habilis (homem hábil), porque fez ferramentas simples, como machados de mão e raspadores. Cerca de l,7 milhões de anos da nossa era, foi seguido pelo Homo erectus (homem ereto), que começou a andar sobre duas pernas.”

“A locução Homo sapiens é usada por alguns cientistas para todos os primeiros homens, que mostraram inteligência, e por vezes também para os hominídios de Neandertal que, como se sabe pelas novas pesquisas de DNA, não são antepassados diretos do homem atual.”

“O homem moderno e seus ancestrais são então designados com Homo sapiens sapiens. A maioria dos pesquisadores entende hoje por Homo sapiens somente o homem moderno e seus ancestrais diretos.” (Dic. de Máximas e Expressões em Latim, Christa Pöppelmann, trad. Ciro Mioranza, Ed. Escala, 2010). (destaques nossos).

Os homens modernos são: “aqueles que reconhecem os sinais gráficos de uma língua, formando mentalmente ou em voz alta, os sons que esses sinais ou sua combinação representam, e associar-lhes um sentido.” (Larousse/Veja).A assimilação de uma idéia escrita, não alcança muitas pessoas, porque elas não conseguem entender o conteúdo do que leram. No último ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio), 50 mil estudantes tiraram nota ZERO em redação!!!

A despeito da evolução do homem e de tudo o mais que o cerca, conforme lecionou-nos Charles Darwin (1809-1882) tido como o “Pai da evolução”, conforme registrado no seu livro “A origem das espécies”, interessante registrar – a propósito dessa evolução do homem – um paradoxo inexplicável, quando nos lembramos de política no curso do tempo, é possível verificar que quando era proibido aos analfabetos votarem, os eleitos eram tão ruins ou até piores, dos que hoje são eleitos. Constata-se assim, que a educação, em algumas circunstâncias, não altera o comportamento dos homens modernos, que se ocupam da política; ou dos eleitores, que os escolhem.

Tomado pela cobiça e cego pela megalomania, o político eleito e empossado, defende tão só os próprios interesses, favorecido, sempre, pelo voto irresponsável do eleitor desinformado, por leis obsoletas e uma Justiça inerte e embaçada.

Esses políticos, apesar de esclarecidos, etiquetados como “homem moderno” Homo sapiens sapiens, dão exemplos condenáveis da falta de honestidade, solidariedade e fraternidade, que deveriam imperar entre os humanos. Motivados pela ambição, praticam ações inconfessáveis, para satisfazer a megalomania e consolidar o egoísmo. Distorcem a verdade, modificam os fatos e cultivam a corrupção. Como qualificativo: mentem com acintosa hipocrisia.

Com suas nefastas ações, esses políticos arrebatam até o pouco de quem não possui nada. Quando surpreendidos, defendem-se mentindo, deixando transparecer a pouca importância que dispensam ao próximo, às leis e à Justiça. Peca o Ministério Público pela omissão no trato do seu dever de ofício.

Mas tudo tem o seu tempo. Graças aos céus, agora o MPF (Ministério Público Federal), a PF (Polícia Federal), e o juiz federal, Dr. Sérgio Moro, alicerçados nas provas robustas e incontestáveis que produziram, vêm internando em jaulas corretivas, magnatas e políticos que sempre acharam que estavam acima da lei. O povo gosta! O povo aplaude!

Eis então, que na plenitude dos tempos a “presidenta” da República Federativa do Brasil, anuncia a existência da “Mulher çapiens” designação complementada por estudiosos, como sendo “Mulher çapiens pinochius habilis”, o que despertou a análise de J.R.GUZZO, verbis: “Dilma usa frases sem pé nem cabeça e empulha os ouvintes com informações incompreensíveis...” (Veja, ed.20.01.16/pg.56).

Paleontólogos, Arqueólogos e Cientistas do ramo, ficaram boquiabertos com o anúncio da “presidenta”! Intelectuais do PT, reunidos em sessão extraordinária, aprovaram e registraram a novidade no livro do “Nunca Antes Neste País”, como sendo “Mulher çapiens habilis” excluindo o “pinochius” , por motivos óbvios uLULAntes.

O povão não entendeu nada, mas achou interessante desde que seja mantido o “Bolsa Família”.
17.12.15/22.01.16 (4780)Membro da Academia Douradense de Letras. (josealbertovasco@yahoo.com.br).

Envie seu Comentário